17/11/2017

Amor...




São estes tempos atrapalhados e atarefados em que durmo contigo em conchinha, em que te seguro pela mão para que possas andar, em que choramos, rimos e não comemos às oito como a mamã quer... São estes os tempos que não deviam ter fim...


Quero-te comigo filhota

Sem comentários: